Móveis e cores com padrões de madeira
Entenda a origem das cores e padrões dos móveis e descubra qual combina com a sua casa.

As cores são essenciais para a decoração de uma casa, porque elas proporcionam sensações que estão relacionadas à maneira como nos relacionamos com os ambientes. Assim, cores quentes têm o poder de nos deixar mais alegres, de transmitir energia e força, enquanto as cores frias tendem a acalmar e relaxar os ânimos.

Além de serem responsáveis por influenciar o comportamento humano, as cores têm um papel fundamental na decoração, já que tendem a dar unidade aos projetos. Normalmente, os “esquemas cromáticos” (termo utilizado por decoradores para definir o conjunto de cores a ser utilizado em um ambiente) partem de um dos seguintes pontos: da arquitetura ou do mobiliário.

Quando se opta por utilizar a arquitetura como ponto de partida, escolhem-se, em primeiro lugar, as cores das paredes para, então, selecionar os materiais que serão usados na decoração, como, por exemplo, as madeiras, os tecidos, tapetes, que, em seguida, são combinados harmoniosamente.

Já quando a escolha das cores parte do mobiliário , as paredes normalmente são revestidas de cores neutras e os carros-chefes da decoração passam a ser os móveis e demais objetos de decoração, que ficam responsáveis por trazer personalidade e tons quentes ao ambiente.

Vamos conhecer a seguir um pouco mais sobre os tons de móveis para depois detalharmos os efeitos mágicos que as cores podem produzir para renovar a sua casa.

Os padrões dos móveis

Hoje em dia, há uma tendência da adoção de móveis coloridos, em tons vivos, para dar uma alegrada em determinados ambientes. De fato, eles cumprem muito bem a sua função de levar mais vida aos locais onde são instalados, mas, de maneira geral, devemos considerar que os móveis que encontramos seguem padrões mais clássicos.

Os móveis em madeira, por exemplo, normalmente estão disponíveis em quatro padrões, que são, basicamente, mogno, imbuia, marfim e tabaco, apresentando pequenas variações de acordo com cada fabricante. E, como a maior parte dos móveis hoje utiliza madeiras ecologicamente corretas, que, na realidade, são uma derivação da madeira maciça, esses quatro padrões são, em geral, proporcionados por acabamentos laminados que são aplicados à MDF ou MDP.

Detalhes à parte, cada um desses padrões traz uma tonalidade ao ambiente, podendo, inclusive, ser o ponto de partida para o restante da decoração. Assim, tons escuros, como imbuia, mogno e tabaco tendem a dar um toque de requinte e tradição ao local, ao mesmo tempo em que exigem acessórios mais claros, para não deixar o ambiente demasiadamente pesado. Por outro lado, o marfim tende naturalmente a deixar o cômodo mais claro, o que é excelente para dar a sensação de amplitude e leveza, sendo, no entanto, necessário adotar objetos focais, que sejam marcantes e indiquem a linha-mestra do projeto de decoração.

Independente do tom adotado em sua casa, deve-se ter o cuidado de seguir um tipo de padrão em cada ambiente. É claro que combinações mais ousadas podem causar resultados bastante surpreendentes e agradáveis, mas, para quem não quer correr o risco de errar, vale a pena apostar em peças com acabamentos semelhantes a fim de criar uma unidade visual para o local.

Quando as cores são protagonistas

Quando a decoração parte das cores, e especificamente, dos tons das paredes, deve-se levar em consideração que cada uma delas tem uma função específica e que, caso deseje combiná-las, vale a pena investir em cores complementares (como o amarelo e lilás) e em cores contrastantes (como o branco e azul marinho).

A seguir, você encontra um “guia” para consultar antes de escolher as cores para dar uma cara nova à sua casa, com indicações para aproveitar ao máximo o potencial de cada ambiente:

Amarelo: é a cor do estímulo e da criatividade, indicada para ambientes como escritórios e cantos de estudo. É uma boa pedida também para bares e restaurantes, pois costuma despertar o apetite.
Azul: Tem um efeito calmante e é essencialmente tranquilizante. Seu excesso de pode provocar sono, por isso é uma cor indicada para quem é muito agitado.
Branco: O branco é uma cor que não compromete o ambiente e que transmite uma elevada percepção do espaço. Ele passa também uma sensação de limpeza e de claridade. Pode-se quebrar o excesso de branco de um ambiente com a disposição de móveis com tecidos coloridos, quadros ou outros objetos de decoração.
Laranja: No uso moderado, estimula os sentidos da criatividade e da comunicação. Muito usado em negócios voltados para área de alimentação.
Marfim: É uma variação do branco para o amarelo, assim como palha ou pastel. É um tom neutro, que ser utilizado em qualquer ambiente.
Marrom: O marrom ou castanho transmite a ideia de terra e também lembra madeira, o que leva a decoração para um lado mais rústico.
Preto: É a cor que simboliza sobriedade e drama, assim como sofisticação e glamour. Muito usado na decoração quando em contraste com o branco. Em geral, é usado em pequenos detalhes na casa.
Rosa: Acalma e representa perfeitamente o lado feminino do ser humano. No entanto, sua utilização em excesso é desgastante.
Verde: Proporciona descanso e tranquilidade, traz mais alegria e vida, ajudando a combater o stress. Para casas onde existem problemas de saúde, o verde é uma ótima opção.
Vermelho: Evoca energia e sensualidade. Indicado para o quarto do casal e na sala ou cozinha estimula o apetite e a fala. Mas cuidado com o excesso!

Violeta: Traz tranquilidade, sossego e calma ao ambiente. Os melhores ambientes para sua utilização são os quartos de bebê e locais de descanso.